Google+ RECOPIA Seu Canal fora do Youtube: Em Destaque
Mostrando postagens com marcador Em Destaque. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Em Destaque. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 19 de abril de 2016

Feliz dia do Índio


Um salve pros verdadeiros brasileiros que verdadeiramente cuidavam e amavam esse país




sábado, 16 de abril de 2016

Amor - O Fim


O homem caçava e protegia a família. A mulher cuidava dos filhotes. Mas, em determinado momento, os casais se separavam. O objetivo da família nuclear - nome técnico que os antropólogos dão ao conjunto de pai, mãe e filhos - era garantir que o homem ficasse por perto tempo suficiente para criar o filhote. Somente isso. Quando o filhote já estava crescidinho e não exigia atenção integral da mãe (que por isso podia voltar a se virar sozinha), o pai estava livre para ir embora e procurar outras fêmeas para procriar.

É daí que vem a chamada crise dos 7 anos. Esse é o período necessário para que uma criança se torne minimamente independente. Um estudo da ONU revelou que o número de separações vai aumentando a partir do 3o ano dos relacionamentos e atinge o pico no 7o ano - quando começa a declinar. Ou seja: o 7o ano realmente é a hora da verdade da relação. No filme O Pecado Mora ao Lado, de 1955, Marilyn Monroe faz o papel de uma mulher que se relaciona com um homem casado. Sabe qual é o nome original do filme, em inglês? The Seven Year Itch, ou "A Coceira dos 7 Anos". Porque é justamente nesse momento que a relação está mais ameaçada - pela comichão de trair.

As estatísticas variam, mas entre 50 e 60% dos homens têm sexo fora do casamento, contra 45 a 55% das mulheres. O aumento da infidelidade tem a ver com a independência delas, que já são quase metade da força de trabalho e estão diminuindo rapidamente a distância financeira para os homens (nos EUA, 22% das esposas já ganham mais do que os maridos). Mas as raízes disso estão dentro do cérebro. Lembra-se de quando dissemos, na primeira reportagem desta série, que os sistemas cerebrais (luxúria, paixão/amor e ligação) eram independentes?

Isso tem um motivo - e não é complicar os relacionamentos. Pelo contrário: surgiu para que nossos ancestrais pudessem buscar estratégias reprodutivas diferentes. A mulher poderia ter um parceiro para protegê-la enquanto gerava os filhos de outro, enquanto o homem poderia espalhar seus genes alegremente por aí, com outras mulheres. A natureza não queria o ideal romântico de amor eterno. Ela queria que tivéssemos um backup reprodutivo, um plano B genético, e nos meteu nessa confusão.

E as circunstâncias também influem: na hora de decidir trair ou não, a relação do casal, a insatisfação com o parceiro, a oportunidade, tudo isso pesa.

Mas muita gente tem os genes, os hormônios, todas as oportunidades do mundo, e não trai. Nós não somos robôs biológicos. É possível resistir ao desejo de trair. Mas é muito mais difícil resistir a outro fenômeno, igualmente destrutivo para os relacionamentos: o ciúme. O mais engraçado é que esse monstro de olhos verdes, como chamou Shakespeare, surgiu com o objetivo oposto - preservar a relação monogâmica. Ao primeiro sinal de infidelidade, soa o alarme e a pessoa fica atenta. E, como homens e mulheres desenvolveram estratégias distintas de reprodução, também sentem ciúmes de coisas diferentes.

Como para o homem é muito dispendioso criar o filho de outro homem, ele sente mais ciúmes da infidelidade sexual. Já para a mulher, não faria tanta diferença se o homem distribuísse apenas esperma para as moças por aí; a grande ameaça é o envolvimento emocional, que coloca em risco a proteção e o cuidado que o homem dá a ela e aos filhos.

Em 2006, o neurologista japonês Hidehiko Takahashi fez exames de ressonância magnética no cérebro de homens e mulheres que comprovaram essas diferenças. Quando sente ciúmes, o homem usa partes do cérebro ligadas a comportamentos agressivos e sexuais, como a amígdala e o hipotálamo. Já nas mulheres, a área mais ativada durante as crises de ciúme é o sulco temporal posterior superior, associado à percepção de emoções nas outras pessoas.

E a internet está piorando o ciúme. Uma pesquisa feita por psicólogos canadenses com 308 voluntários descobriu que as redes sociais, como Orkut e Facebook, alimentam o ciúme. Sabe por quê? Nada menos do que 74,6% das pessoas adicionam ex-namorados ou rolos como amigos nessas redes - que depois o cônjuge atual vai fuçar atrás de indícios.

Com ou sem ciúme, a verdade é que boa parte dos relacionamentos está destinada a acabar. E esse momento pode ser muito difícil. "A natureza realmente exagerou no que diz respeito ao fim dos relaciomentos", diz Helen Fisher. Quando uma pessoa é abandonada, sua reação se divide em duas fases. A 1a é o protesto. É quando a a pessoa fica fazendo promessas, doida para reatar. Isso pode ser muito inconveniente. Mas ela não tem culpa.

É o corpo agindo. "O cérebro estava acostumado com aquela recompensa [a pessoa amada], então faz você insistir mais e mais para tentar consegui-la de novo", explica a neurologista Suzana Herculano-Houzel. O pânico de ver que não está dando certo pode acionar o sistema de estresse do organismo, que por sua vez estimula novamente a produção de dopamina - ironicamente, fazendo a pessoa se sentir ainda mais apaixonada.


Depois vem a 2a fase: aceitação. Depois de ver que o amado não irá mesmo voltar, muita coisa pode passar pela cabeça da pessoa - depressão, confusão, frustração. Até mesmo ódio. Mas por que sentir algo tão ruim por alguém que se amou? É que o ódio e o amor passam pelas mesmas partes do cérebro - a ínsula e o putâmen. "A diferença entre os dois é que, no ódio, existe mais capacidade de planejar as ações.

No amor, o julgamento está prejudicado", diz o neurologista Semir Zeki, da University College London. Então o ódio é mais racional que o amor? Não necessariamente. Mas ele tem sua função: é uma defesa do organismo para nos fazer seguir em frente. Em vez de ficarmos remoendo eternamente as dores, passamos a não querer mais ver a pessoa. "Assim como o cérebro associava coisas positivas a uma pessoa, ele pode passar a associar só sentimentos ruins, negativos", diz Suzana Herculano-Houzel. Todos nós sofremos e fazemos sofrer.

E, se isso servir de consolo, as celebridades também se separam e sofrem, talvez até mais do que as pessoas comuns. Já ficou famosa a chamada "maldição do Oscar", que atingiria as vencedoras do Oscar de melhor atriz. Nos últimos 12 anos, apenas duas atrizes não se divorciaram após ganhar o Oscar. E logo após o prêmio deste ano, o marido da vencedora, Sandra Bullock, foi pego tendo um caso extraconjugal.

Tem gente que mata (e se mata) por amor. Mas a maioria das pessoas supera as dores emocionais da separação. Um estudo feito pela Universidade Northwestern mostrou que terminar uma relação não é tão ruim quanto pensamos que vai ser - geralmente leva metade do tempo que achamos. Isso acontece porque a mente tende a voltar a seu estado inicial: cientistas da Universidade de Massachusetts provaram que, após um ano, as pessoas que ganham na loteria apresentam os mesmos níveis de felicidade que as que se tornam tetraplégicas.

Ambas voltam aos níveis de felicidade que tinham antes do fato extraordinário. E a melhor coisa para curar um coração partido é começar outro relacionamento. Disso você já sabe. Releia a primeira reportagem desta série, levante a cabeça, sacuda a poeira, vá à luta. Se não há bem que não se acabe, também não há mal que sempre dure. Força na peruca!

CERCADOS POR DARWIN
O adultério ajudou na evolução da espécie: é um plano B da natureza para que homens e mulheres possam buscar estratégias evolutivas diferentes.

DE LA
Após estudar 144 homens e mulheres recém-separados, a Universidade do Colorado comprovou: quem leva o pé na bunda sofre mais. O curioso é que a pessoa sofre mesmo se já estivesse infeliz na relação - e pode até se reapaixonar por quem a chutou.

A VIDA CONTINUA

Num estudo da North-Western, que acompanhou a vida amorosa de 70 universitários, a recuperação pós-rompimento levou em média 10 semanas - metade do tempo que os recém-separados esperavam.





sábado, 9 de abril de 2016

Amor - O Meio

imagem: www.donagiraffa.com
Morar junto. Casamento. Filhos. Tudo isso é muito bom - faz vocês ficarem mais ricos e viverem mais. Sim, a paixão vai diminuir. Mas isso não é o fim.

Parabéns. Você encontrou sua cara-metade, namorou, começou uma relação estável. Vocês moram juntos, saem juntos, fazem tudo juntos - suas personalidades estão grudadas, e é até difícil saber onde uma começa e a outra termina. 

Uma situação extremamente rara: entre os mamíferos, apenas 3% das espécies são monogâmicas. Por que estamos entre elas? Há 3 milhões de anos, nossos ancestrais desceram das árvores e começaram a andar eretos. Um pequeno passo para o hominídeo, um grande salto para a humanidade e uma complicação danada para as fêmeas - que não conseguiam mais carregar os filhotes nas costas, como fazem os chimpanzés. 

Como não tinha jeito de colher raízes e se defender de leões e ao mesmo tempo segurar bebês nos braços, elas passaram a precisar da proteção e do sustento masculino. Para o homem, seria muito dispendioso alimentar e defender mais de uma mulher. Pronto: monogamia. Além disso, com o tempo, o cérebro humano foi ficando maior. E aí as mulheres passaram a ter dificuldades para dar à luz bebês tão cabeçudos por seu canal de parto estreito. 

A pélvis não podia crescer, ou os humanos não conseguiriam mais andar eretos. Algumas mulheres conseguiram parir filhotes mais imaturos, garantindo a continuidade da espécie. Mas significa que os bebês passaram a nascer ainda mais indefesos (um humano leva 18 anos para ficar adulto, 8 a mais que um filhote de chimpanzé) e dependentes da mãe. 

Aí, a natureza veio em socorro das mulheres estafadas. Criou o terceiro mecanismo cerebral do amor - o da ligação e do companheirismo. É um amor profundo, que deixa as pessoas calmas e seguras. Foi ele que possibilitou a criação das famílias - e fez nossa espécie chegar aonde chegou. E tem várias vantagens biológicas, como estender a vida do homem em 7 anos e a da mulher em 2 (ele porque passa a se alimentar melhor, e ela porque fica mais rica ao incorporar a renda do marido). 

Em suma: a rotina conjugal é boa. Mas tem uma consequência ruim - faz a testosterona despencar. Foi essa a conclusão de um estudo da Universidade Harvard, que analisou os níveis hormonais de 58 homens. Sem testosterona, os casais vão perdendo a vontade de sexo. E é aí que os problemas começam. Sem o mesmo encantamento de quando estavam apaixonadas, as pessoas ficam menos tolerantes, e começam a ver o outro como ele realmente é.


SILÊNCIO HORMONAL

Após o nascimento do primeiro filho, o nível de testosterona no homem cai até 33%. E atividades como brincar com a criança ou abraçar a mulher fazem com que caia ainda mais. É um mecanismo criado pela evolução para que o macho sossegue - e ajude a criar o filhote.

E aqueles casais que estão juntos há décadas e ainda se dizem apaixonados? Cientistas dos EUA monitoraram o cérebro de pessoas nessa situação e constataram que as áreas do cérebro relacionadas à paixão e ao romance realmente se acendiam quando elas pensavam na pessoa amada. 

A paixão pode, sim, durar para sempre. Mas isso só acontece com algumas pessoas - e ninguém sabe por quê. O fato é que, para a maioria, a paixão diminui com o tempo. E isso faz sentido. Seria difícil cuidar dos filhos e tocar a vida atordoado por aquela intensidade do início de romance. Mas como fazer a relação dar certo? Existem as recomendações que você já conhece (ter bom humor, não brigar por bobagens etc.). 

Tudo isso funciona. Mas só se você adotar a postura correta - que nem sempre é a mais óbvia. Um estudo da Universidade da Califórnia revelou que na Índia, onde 95% dos casamentos são arranjados, os casais têm níveis mais altos de satisfação e amor do que no Ocidente. É porque começam a relação sem esperar grande coisa: o amor nasce pequeno e cresce com o tempo. 

Aqui, ao contrário, jogamos toda a esperança do mundo nos ombros da pessoa amada, e o amor inevitavelmente vai diminuindo. O certo é não alimentar expectativas. Também tenha o hábito de ficar um pouco longe da outra pessoa, pois isso atiça o sistema de recompensa do cérebro. "A expectativa da recompensa é quase mais prazerosa que a recompensa em si", afirma o neurologista Semir Zeki. E tome cuidado com o excesso de familiaridade. Um estudo feito nos anos 70 com crianças israelenses criadas juntas num kibutz constatou que os meninos e as meninas se tornaram grandes amigos depois de adultos. 

Mas nenhum deles se casou: foi impossível sentir desejo por alguém tão familiar. O desejo está no que é novo. Falando nisso, não se acanhe. "A pornografia aumenta os níveis de testosterona", afirma a antropóloga Helen Fisher. Ela recomenda que os homens acessem sites eróticos. Seja como for, não se acomode. A evolução percorreu milhões de anos para que vocês pudessem estar juntos. Aproveite a felicidade a dois - que, segundo um estudo feito na Inglaterra, tem o auge aos 2 anos e 11 meses de relacionamento.




Fonte: http://super.abril.com.br    Por Jeanne Callegari Editado por Bruno Garattoni 

sábado, 2 de abril de 2016

Amor - O Início

imagem: osegredo.com.br
"Quer viver um grande amor? Pergunte-me como." Parece uma promessa de charlatão - afinal, não existe nada mais imprevisível que a paixão, certo? Milhões de palavras foram gastas, ao longo dos séculos, para descrever os mistérios dela.

Do matemático Blaise Pascal ("o coração tem razões que a própria razão desconhece") ao físico Albert Einstein ("como a ciência poderia explicar um fenômeno tão importante como o amor?"), todas as maiores mentes da humanidade se declararam impotentes frente aos mistérios e caprichos da paixão.

Elas estavam erradas. A ciência está começando a descobrir que existe, sim, lógica no amor. E, quem sabe, até uma fórmula. Matemáticos da Universidade de Genebra estudaram 1 074 casamentos, analisando diversas características dos cônjuges, e chegaram a uma fórmula do que seria o par ideal - com maior taxa de felicidade e menor risco de separação.

A mulher deve ser 5 anos mais jovem e 27% mais inteligente do que o homem (o ideal é que ela tenha um diploma universitário, e ele não). E é preciso experimentar bastante antes de decidir: uma análise feita pelos estatísticos John Gilbert e Frederick Mosteller, da Universidade Harvard, apontou que, se você se relacionar com 100 pessoas durante a vida, suas chances de encontrar o par ideal só chegam ao auge na 38ª relação.


Faça tudo isso e você será premiado com 57% mais chance de ser feliz. Mas, se você achou essas condições meio sem sentido, ou no mínimo difíceis de seguir, acertou. As conclusões são puramente estatísticas, ou seja, projetam um cenário ideal e não levam em conta as decisões que as pessoas realmente tomam: praticamente todos os casais estudados pelos cientistas suíços (para ser mais exato, 99,81%) não viviam seguindo à risca a fórmula. Afinal, as pessoas não são equações. São uma pilha de neurotransmissores, hormônios - e experiências.

Imagine que você está numa festa. Muita gente interessante, troca de olhares, azaração. Na dança do acasalamento humano, os homens dão mais valor à beleza e à juventude - e as mulheres estão mais preocupadas com o nível socioeconômico do parceiro (sim, isso inclui dinheiro). Você provavelmente já sabe disso. É universal. "Num levantamento que fizemos com 10 mil pessoas, em 37 países, essas diferenças sempre se mantiveram - independentemente de local, habitat, sistema cultural ou tipo de casamento", afirma o psicólogo evolutivo David Buss, da Universidade do Texas, em seu livro A Evolução do Desejo.


O que você não sabe é que essa diferença não é um clichê sexista - tem uma explicação cerebral. Quando o homem olha uma foto de sua mulher ou namorada, sua atividade cerebral se concentra nas áreas de processamento visual - como a área fusiforme, que processa as imagens de rostos. Já quando a mulher vê o homem, aciona circuitos relacionados a memória, atenção e motivação - como o corpo do núcleo caudato e do septo. Conclusão: para as mulheres, a beleza realmente não é o principal.

Ela é importante. Mas não é um objetivo em si; é um instrumento que a mulher usa para descobrir mais sobre o homem. Um estudo da Universidade de Michigan comprovou que, quando estão cogitando ficar ou ter um caso passageiro, as mulheres costumam preferir homens de traços bem marcados, masculinos.

Mas, na hora de pensar numa relação séria, optam pelos que têm traços mais delicados. Isso acontece porque os homens de traços duros costumam ser saudáveis e passar genes de boa qualidade para os descendentes - e por isso são considerados instintivamente atraentes pela mulher. Mas eles também geralmente têm mais testosterona - hormônio que aumenta a propensão à violência e à infidelidade.


OS SEMELHANTES SE ATRAEM


Em 68% dos relacionamentos sérios (e 53% dos passageiros), as pessoas são apresentadas por um conhecido. Cerca de 60% dos romances surgem em ambientes semiprivados, como escola, trabalho ou uma festa - lugares onde a afinidade entre as pessoas é naturalmente maior. Só 10% dos romances se originam em bares e baladas.

COISA DE PELE
Homens e mulheres preferem o odor de pessoas cujo sistema imunológico seja complementar ao deles (o que ajuda a gerar descendentes saudáveis). Mas cuidado com a pílula anticoncepcional: ela pode distorcer essa comunicação olfativa, fazendo a mulher perder a capacidade de reconhecer o que a atrai.

PAIXÃO = AVENTURA
Quer fazer o romance engatar? Procure fazer coisas novas e/ou excitantes junto com a outra pessoa - como viajar ou andar de montanha- russa. É sério. Esse tipo de atividade eleva o nível de dopamina no cérebro, ativando os mecanismos relacionados à paixão.

Ou seja: os machões não são bons pares. E parecem estar saindo de moda. Pesquisadores da Universidade de Stirling, na Escócia, apresentaram uma série de fotos de homens para 4 791 mulheres de 30 países, entre eles o Brasil. 

E descobriram o seguinte: quanto melhor o sistema de saúde de um país, mais as mulheres preferem homens com traços femininos. Isso acontece porque, existindo menos doenças, as mulheres não dependem tanto de genes superfortes (presentes nos machões) para gerar descendentes saudáveis. E passam a preferir homens com rosto delicado. 

Mas o Brasil, caso você esteja se perguntando, ficou em último lugar no estudo - nossas mulheres, junto com as mexicanas, são as que mais preferem homens com cara de machão (Bélgica e Suécia, por outro lado, são o paraíso para os homens delicados). "Homens muito atraentes costumam ir atrás da estratégia de reprodução mais conveniente para eles: as relações de curto prazo. Já os mais femininos tendem a ser melhores provedores", afirmou a psicóloga Lise DeBruine, autora do estudo, ao jornal inglês Guardian.

Seja como for, um pouquinho de feiúra pode até ajudar o homem. Um estudo feito em 2008 pela Universidade do Tennessee avaliou 82 casais e descobriu que, quando a mulher é linda e o homem apenas razoável, o casal se comporta de forma mais positiva, com mais harmonia e companheirismo. A tese é que, como o homem está recebendo algo que valoriza muito, a beleza, ele dá duro para manter o relacionamento - o que acaba melhorando seu convívio com a mulher.

CHEGUE MAIS PERTO
Vocês se olharam, se interessaram, alguém tomou a iniciativa de ir falar com o outro. Antes mesmo de abrirem a boca, seus corpos já começaram a se comunicar. Sabe quando as pessoas dizem que "bateu uma coisa de pele"? Isso realmente existe. 

E tem fundamento científico. Preferimos pessoas cujo sistema imunológico seja complementar ao nosso, com quem possamos gerar descendentes geneticamente mais variados, com maior capacidade de resistir a doenças. E, como ninguém tem placa na testa dizendo qual tipo de sistema imunológico tem, o jeito que o corpo inventou de perceber e comunicar isso foi o cheiro.

Ok, o cheiro combinou e vocês partiram para a conversa - que pode ou não dar certo. O que precisa acontecer para que ela não acabe num silêncio constrangedor depois de 10 minutos? Sua história pessoal, os valores da família, da comunidade, as relações que já viveu, tudo isso ajuda a moldar o que você espera das pessoas - principalmente aquelas com as quais pretende ter algum tipo de relacionamento amoroso. 

"Enquanto crescemos, vamos criando um conceito da pessoa por quem iremos nos apaixonar, baseado nos exemplos que encontramos por aí. E os parceiros que encontramos podem corresponder a essa expectativa ou não", explica Semir Zeki, neurologista da University College London e autor de estudos sobre o cérebro das pessoas apaixonadas. Existem muitos testes que ajudam a descobrir qual é o seu tipo de personalidade e saber quais outros combinam com ele.

Mas o que vai acontecer daqui para a frente no relacionamento tem mais a ver com a dança de hormônios dentro da sua cabeça. Ou você já viu alguém tomar racionalmente a decisão de se apaixonar? A natureza criou 3 mecanismos cerebrais que controlam o amor nos seres humanos: luxúria, paixão/romance e ligação. O mecanismo da luxúria (desejo sexual) está ligado à quantidade do hormônio testosterona - tanto em homens quanto em mulheres. 

Já o impulso da paixão e do romance é alimentado pela dopamina. E o terceiro sistema, da ligação e do companheirismo, é alimentado pela ocitocina (na mulher) e pela vasopressina (no homem). Os 3 sistemas são independentes. Ou seja: uma mulher pode amar o marido, estar apaixonada pelo vizinho e sentir atração pelo Johnny Depp, tudo ao mesmo tempo. Uma confusão só.

 "É como se houvesse uma reunião de comitê na sua cabeça", brinca Helen Fisher. E, para complicar ainda mais as coisas, esses sistemas interferem uns com os outros. Uma coisa leva a outra, principalmente quando as pessoas vão para a cama. O sexo pode aumentar os níveis de dopamina - que provoca paixão e romance. E o orgasmo provoca a descarga de ocitocina e vasopressina - os hormônios da ligação. É por isso que, biologicamente, não existe sexo 100% sem compromisso. Você sempre corre o risco de acabar se apaixonando por alguém com quem não tinha intenção de se envolver.

E assim foi para vocês. A noite foi incrível, e parece que a paixão está começando a rolar. Como ter certeza? É fácil. Você vai ficar meio aéreo, passar a comer e dormir menos e ficar horas e horas pensando na pessoa amada - um comportamento compulsivo, similar ao dos viciados em drogas. É isso mesmo: o neurotransmissor da paixão, a dopamina, é o mesmo envolvido nos casos de dependência química. 

E mexe com uma parte muito profunda do cérebro: o núcleo accumbens, que controla o sistema de recompensa - mecanismo que faz o indivíduo buscar coisas prazerosas (como comida, sexo ou amor). Ele tem uma influência incrivelmente forte sobre nós. "O sistema de recompensa avisa o cérebro sempre que uma coisa boa está para acontecer. 

Ficamos altamente motivados, antecipando o prazer que virá", diz Suzana Herculano-Houzel, neurologista da UFRJ e autora do livro Sexo, Drogas, Rock`n`roll... & Chocolate - O Cérebro e os Prazeres da Vida Cotidiana.

A partir de agora, sua felicidade depende da outra pessoa. Se ela telefona ou manda um e-mail, você vai ao paraíso. Quando ela some, você vive uma agonia lenta, desesperada. Se você está sentindo tudo isso, comemore. Está apaixonado.





quarta-feira, 2 de março de 2016

20 lições que aprendemos com os Mamonas Assassinas

Nesta quarta-feira, dia 2 de março, o Brasil lembra um episódio que marcou a história da música do País. Há 20 anos, os Mamonas Assassinas sofreram um acidente fatal de avião na Serra da Cantareira no auge da carreira. A morte repentina e violenta de Dinho, Bento Hinoto, Júlio Rasec, Samuel Reoli e Sérgio Reoli abalou os fãs do grupo, que até hoje é lembrado pelas letras irreverentes e criativas. E a maioria das músicas dos Mamonas Assassinas ainda faz sentido e serve de 'guia' para muita gente! Confira 20 lições que aprendemos com as letras dos Mamonas Assassinas'Abra sua mente, gay também é gente', de Robocop GayTodos somos iguais, independente de gênero, orientação sexual, raça ou classe socialAcesse o R7 Play e assista à programação da Record quando quiser
Foto: Divulgação  
Nesta quarta-feira, dia 2 de março, o Brasil lembra um episódio que marcou a história da música do País. Há 20 anos, os Mamonas Assassinas sofreram um acidente fatal de avião na Serra da Cantareira no auge da carreira. A morte repentina e violenta de Dinho, Bento Hinoto, Júlio Rasec, Samuel Reoli e Sérgio Reoli abalou os fãs do grupo, que até hoje é lembrado pelas letras irreverentes e criativas. E a maioria das músicas dos Mamonas Assassinas ainda faz sentido e serve de "guia" para muita gente!

Confira 20 lições que aprendemos com as letras dos Mamonas Assassinas

"Abra sua mente, gay também é gente", de Robocop Gay
Todos somos iguais, independente de gênero, orientação sexual, raça ou classe social


'A soma dos quadrado dos catetos é igual à
p*** da hipotenusa', de Uma Arlinda MulherAfinal, matemática é algo essencial e essa música sempre ajudava na hora de lembrar a fórmula para o cálculo
Foto: Divulgação  
"A soma dos quadrado dos catetos é igual à p*** da hipotenusa", de Uma Arlinda Mulher
Afinal, matemática é algo essencial e essa música sempre ajudava na hora de lembrar a fórmula para o cálculo     

'Money que é good nóis num have (HEAVY!), se nóis
hevasse nóis num tava aqui playando, mas nóis precisa de
worká', de 1406O trabalho dignifica o homem, né?
Foto: Divulgação  
"Money que é good nóis num have (HEAVY!), se nóis hevasse nóis num tava aqui playando, mas nóis precisa de worká", de 1406
O trabalho dignifica o homem, né?     

'Mais vale um na mão do que dois no sutiã!', de Vira-ViraÉ melhor se garantir, não é mesmo?
Foto: Divulgação  
"Mais vale um na mão do que dois no sutiã!", de Vira-Vira
É melhor se garantir, não é mesmo?     

'Não peide aqui baby, não é legal!', de Não Peide Aqui BabyFica a dica para os porquinhos de plantão
Foto: Divulgação  
"Não peide aqui baby, não é legal!", de Não Peide Aqui Baby
Fica a dica para os porquinhos de plantão

'Eu tenho que fazer ali gargarejo com vinagre', de Uma Arlinda MulherSempre bom cuidar da garganta com essa receita
Foto: Divulgação  
"Eu tenho que fazer ali gargarejo com vinagre", de Uma Arlinda Mulher
Sempre bom cuidar da garganta com essa receita     

'Se de repente olhar
pro lado e ver que ninguém aí está, é porque ninguém está do seu lado', de JoelhoNão tente ver coisa onde não tem. Chega de paranoias! Em outras palavras, não procure pelo em ovo
Foto: Divulgação  
"Se de repente olhar pro lado e ver que ninguém aí está, é porque ninguém está do seu lado", de Joelho
Não tente ver coisa onde não tem. Chega de paranoias! Em outras palavras, não procure pelo em ovo     

'Saí avuando, parecia um foguete, só não estourei meu coco, pois tava de capacete', de Jumento CelestinoSegurança é essencial em qualquer situação
Foto: Divulgação  
"Saí avuando, parecia um foguete, só não estourei meu coco, pois tava de capacete", de Jumento Celestino
Segurança é essencial em qualquer situação

'Comi uns bicho estranho, com um tal de gergelim.
Até que tava gostoso, mas eu prefiro aipim', de Chopis CentisNada é melhor que uma boa e saudável mandioca
Foto: Divulgação  
"Comi uns bicho estranho, com um tal de gergelim. Até que tava gostoso, mas eu prefiro aipim", de Chopis Centis
Nada é melhor que uma boa e saudável mandioca     

'Onon, tome cuidado, lhe dizia a sua avó, não gaste todo o seu dinheiro no forró', de Onon OnonEm tempos de crise, é melhor cuidar das suas finanças 
Foto: Divulgação  
"Onon, tome cuidado, lhe dizia a sua avó, não gaste todo o seu dinheiro no forró", de Onon Onon
Em tempos de crise, é melhor cuidar das suas finanças  

'Tus cabellos es da hora, tu cuerpo es una guitarra', de Desnudos en CancúnMamonas Assassinas também era cultura na hora de ensinar espanhol para as pessoas
Foto: Divulgação  
"Tus cabellos es da hora, tu cuerpo es una guitarra", de Desnudos en Cancún
Mamonas Assassinas também era cultura na hora de ensinar espanhol para as pessoas     

Foto: Divulgação  
"Esse tal Chopis Centis é muito legalzinho, prá levar as namorada e dá uns rolezinho", de Chopis Centis
Os Mamonas adiantaram lá nos anos 90 a febre dos rolezinhos em shopping pelo Brasil, afinal, lá é o lugar oficial da paquera e azaração dos adolescentes    

'Sou um corno
apaixonado, sei que já fui
chifrado, mas o que vale é
tesão', de Bois Don't CryO amor sempre fala mais alto, em qualquer situação
Foto: Divulgação  
"Sou um corno apaixonado, sei que já fui chifrado, mas o que vale é tesão", de Bois Don't Cry
O amor sempre fala mais alto, em qualquer situação    

'O amor é uma faca de dois legumes', de Lá Vem o AlemãoA vida não é fácil, muito menos o amor, aquele sentimento complicado demais
Foto: Divulgação  
"O amor é uma faca de dois legumes", de Lá Vem o Alemão
A vida não é fácil, muito menos o amor, aquele sentimento complicado demais    

'Arrombou meu coração, depois desapareceu', de Lá Vem o AlemãoVocê aprendeu o que é ingratidão ouvindo os Mamonas Assassinas
Foto: Divulgação  
"Arrombou meu coração, depois desapareceu", de Lá Vem o Alemão
Você aprendeu o que é ingratidão ouvindo os Mamonas Assassinas     

Foto: Divulgação  
"Totalmente beautiful as baleias no oceano, nadando com graça, fugindo da caça dos homens humanos", de Mundo Animal
Você também aprendeu sobre o mundo animal e as crueldades do homem    

'Faça uma plástica, ai entre na ginástica', de Robocop GayA moda fitness e tudo pela beleza já estava presente na música dos Mamonas
Foto: Divulgação  
"Faça uma plástica, ai entre na ginástica", de Robocop Gay
A moda fitness e tudo pela beleza já estava presente na música dos Mamonas   

'Você não sabe como é frustrante. Ver sua filhinha chorando por um colar de diamantes', de 1406O consumismo continua sendo um dos maiores problemas até hoje, assim como a desigualdade
Foto: Divulgação  
"Você não sabe como é frustrante. Ver sua filhinha chorando por um colar de diamantes", de 1406
O consumismo continua sendo um dos maiores problemas até hoje, assim como a desigualdade
 

Foto: Divulgação  
"Fome, miséria, incompreensão. O Brasil é Treta Campeão", de Cabeça de Bagre II
Mesmo pentacampeão, o País continua sofrendo com desigualdade e a intolerância     





Musa dos 'Mamonas', Mari Alexandre fala pela 1ª vez sobre inspiração para capa de CD

 

Vinte anos após a morte dos integrantes do grupo Mamonas Assassinas, que aconteceu no dia 2 de março de 1996, a modelo Mari Alexandre relembrou o dia em que descobriu ser a musa inspiradora da capa do disco do quinteto.

"Conheci os meninos durante um show deles em São Paulo. Fui parabenizá-los e Dinho me contou que a capa do CD tinha inspiração na minha ‘Playboy’ de 1992", contou a modelo ao Extra. A imagem em questão é a famosa caricatura dos seios de Mari.

Mari contou ainda que ficou surpresa com a revelação. "Como tantas pessoas, achava que os seios fossem só uma brincadeira com o nome Mamonas. Foi uma honra, fiquei muito lisonjeada de ter sido musa inspiradora", lembrou aos risos. 


A modelo então se tornou amiga dos integrantes da banda. Segundo ela, eles saíam para jogar boliche, lanchar e os momentos eram sempre muito divertidos. "Todos sempre foram muito brincalhões e eram muito respeitosos comigo. Minha barriga doía de tanto rir. É triste terem ido tão cedo, com tanta energia", concluiu.





20 anos sem os Mamonas Assassinas: relembre os grandes sucessos

© Ricardo Correa Mamonas Assassinas 

Muitos de nós lembramos desse dia. - apesar de não gostarmos desse fato em nossas vidas. Alguns estavam brincando na sala de casa, outros podiam estar passeando, mas todos estávamos esperando a aparição dominical dos Mamonas Assassinas na televisão. Só que em 2 de março de 1996, eles apareceram um dia antes e continuaram nas telas de nossos televisores em forma de homenagens, lembranças e saudades. Esse foi, provavelmente, a primeira vez que aprendemos a dizer "adeus" para um ídolo (neste caso, cinco de uma vez só).

© Ricardo Correa Mamonas Assassinas 

Antes deles aparecerem fantasiados em nossas televisões, os Mamonas Assassinas eram apenas cinco caras tentando viver de música. Dinho, Sérgio, Samuel, Bento e Júlio tentaram MUITO fazer a banda Utopia dar certo do jeito convencional. Mas foi quando eles decidiram enlouquecer e zoar com as gravadoras que o sucesso batalhado ao longo de anos veio de forma estrondosa: cerca de 4 shows por dia, aparições semanais na TV, duas músicas em novela, 3 milhões de disco vendidos e uma legião de fãs apaixonados pela irreverência desses jovens paulistas.

Até que no dia 2 de março de 1996 o avião que transportava o grupo sobrevoava a Serra da Cantareira, em São Paulo, teve uma pane e caiu. Nem os pilotos, nem os Mamonas Assassinas sobreviveram à queda e ao incêndio que se seguiu. Estima-se que mais de 60 mil pessoas tenham ido prestar suas homenagens aos músicos, enquanto tantos outros lamentaram em casa.

Para matar a saudade dos Mamonas, separamos cinco músicas para você cantar junto e lembrar com carinho desses artistas:

1) Vira vira
2) Pelados em Santos
3) Robocop Gay
4) Mundo Animal
5) Chopis Centis









Fonte: http://www.msn.com

quinta-feira, 22 de outubro de 2015

Criador de “Todo Mundo Odeia o Chris” irá apresentar o Oscar 2016







domingo, 23 de agosto de 2015

'Um Maluco no Pedaço' deve ganhar nova versão produzida por Will Smith

provavelmente bieber ou pornô

Mas quem vai substituir esse mito????






Batman solidário morre em acidente com ‘batmóvel’ nos EUA

Um americano que costumava se vestir como o super-herói Batman para visitar crianças doentes em hospitais morreu em um acidente de trânsito, na noite do último domingo, em Maryland, nos Estados Unidos.


O batmóvel (veículo usado pelo "Homem-morcego" no cinema) de Leonard Robinson, de 51 anos, teve uma pane e parou em uma estrada. Em seguida, ele foi atropelado no local. As informações são do jornal “The Washington Post”. 

De acordo com a publicação, Robinson voltava para casa de uma exposição de automóveis, durante a qual apresentou sua Lamborghini transformada em batmóvel. Por causa de um problema no motor, o veículo parou na estrada por volta das 22h (horário local). 

O americano, então, decidiu ir para a frente do carro e tentar descobrir a razão do defeito. Mas um caminhão acabou colidindo na traseira do batmóvel, que atropelou Robinson. De acordo com a polícia, a vítima morreu na hora.

O motorista do caminhão nada sofreu. Até o momento, não foram feitas acusações criminais. Segundo o irmão de Robinson, Scott, o imitador de Batman gastou milhares de dólares para customizar sua Lamborghini e deixá-la parecida com o batmóvel. 

Desde 2012, ele costumava se vestir com toda a parafernália do super-herói para visitar crianças doentes em hospitais americanos. Com isso, o americano acabou ficando famoso na região e foi destaque em jornais dos EUA.





segunda-feira, 15 de junho de 2015

Noiva do DF se diz 'viciada' após pegar 22 buquês: 'faço uma de goleira'

Depois de ouvir da então futura sogra que ela só iria se casar quando conseguisse pegar 12 buquês de noiva, a jornalista Manuela Castro, de Brasília, transformou o desafio em esporte. Aos 32 anos e se dizendo "viciada" na brincadeira, ela já contabilizou 22 arranjos, criou técnicas para amedrontar as adversárias e ficou conhecida entre os amigos como "pegadora oficial de buquês de casamento".

"Eu vou para os casamentos e as pessoas ficam esperando que eu pegue o buquê. Fiquei com a fama entre os meus amigos e todos os casamentos que vou tem a pressão e a cobrança", disse. "Eu nunca quero ser agressiva, mas às vezes é a forma de garantir que o buquê termine na minha mão."


O 22º buquê foi adquirido na madrugada do último sábado (13) após uma cerimônia em Belém, no Pará. Um vídeo feito pelo noivo de Manuela mostra a jornalista no chão com uma amiga disputando o arranjo da mão da mulher (veja vídeo acima). "Ela quis me provocar dizendo que eu não ia pegar. Ela fez de tudo para me atrapalhar, mas no final saí com o buquê e ela não ficou brava comigo", diz.


Para ganhar a "disputa", Manuela afirma que é capaz de tudo, até de arrancar o arranjo da mão da "ganhadora". Ela garante que a atitude nunca terminou com adversárias feridas. 


"Nunca saiu ninguém sangrando, não. É só diversão, o foco é no buquê. Tenho o cuidado de não machucar, eu vou direto no buquê, não na pessoa. É agressividade com responsabilidade, tipo MMA."

Depois de participar de muitos casamentos ao longo dos anos, a "pegadora de buquês" criou técnicas para intimidar as concorrentes. "Eu percebi que a maior chance é na frente. Sempre crio uma área grande ao meu redor, faço uma de goleira, estico os braços e fico intimidando as outras", afirmou. "Todo mundo ri, acha engraçado e se desconcentra e daí eu saio na frente."

Manuela é noiva há sete meses e tem casamento marcado para maio de 2016. A meta é conseguir 25 buquês até lá. Ela diz que nunca pensou nos buquês como uma forma de "sorte para casar". "Eu não faço isso porque sou desesperada para casar. O problema não é casar, é que eu adoro pegar, adoro a disputa." 


Como todos sempre riam e achavam a situação engraçada, o noivo de Manuela, o jornalista Roberto Fragoso, de 38 anos, decidiu começar a filmar as "batalhas". "Eu filmo e ela publica. Era uma coisa tão engraçada até para ela ver as caras que ela faz, porque ela fica parecendo uma goleira quando vai pegar o buquê."


Fragoso diz que foi alertado por ela sobre o "vício", logo que os dois começaram a namorar e se programaram para ir ao primeiro casamento juntos. Ele afirma que incentiva a noiva e que em muitas vezes também entra na brincadeira. 

“É uma coisa dela, é uma brincadeira que ela curte muito. Dou o maior apoio. Ela faz pressão psicológica antes da cerimônia e eu começo a colocar pilha, fazer pressão também, dizendo para as meninas não disputarem com ela porque senão vão se machucar.”

O jornalista apoia a noiva, mas quer que ela abandone a prática depois de casada. “Ela tem que dar chance para as outras mulheres. Estou tentando convencê-la e disse a ela que depois que a gente casar todo aniversário de casamento vou mandar fazer um buquê para ela ficar satisfeita.”

Manuela considera a proposta tentadora, mas diz que ainda está pensando. “Acho que vou acabar aceitando e o jogo vai acabar, mas vou ficar chateada, vou sentir solidão tristeza, mas vou me comportar.”

Para o próprio casamento, ela conta que está preparando várias surpresas. “Já tenho várias ideias. Tenho que ver qual vou executar. Vou fazer diferente", diz.

"Quem sabe eu coloco um elástico no buquê do meu casamento, que daí quando eu jogar ele volta para mim, né?”, disse. “Tenho que pensar bastante porque talvez seja o último buquê que eu vá pegar.”





terça-feira, 2 de junho de 2015

2 de Junho Dia internacional da Prostituta ou Prostituição


O Dia internacional da Prostituta é uma data comemorativa, que lembra a discriminação das prostitutas, as suas condições precárias de vida e de trabalho e a sua exploração. O ponto de partida para esse dia comemorativo foi o dia 2 de junho de 1975, no qual mais de 100 prostitutas ocuparam a Igreja Saint-Nizier em Lyon, a fim de chamar a atenção para a sua situação. 1 O Dia da Prostituta é celebrado anualmente desde 1976 no dia 2 de junho.

Contexto histórico

A partir dos anos 70, as agências policiais mantiveram as prostitutas em França sob crescente pressão. As represálias da polícia forçaram as mulheres a trabalhar em segredo. Como resultado, a proteção relativa da observância pública acabou e as meninas se viram confrontadas com um aumento da violência contra elas por cafetões, clientes e policiais.

Depois de dois assassinatos e falta de vontade do governo para melhorar a situação das prostitutas, estas ocuparam uma das igrejas locais em Lyon - Saint-Nizier, na rue de Brest - e entraram em greve. Depois de oito dias, a igreja foi liberada pela polícia. O evento é considerado como o ponto de partida de um movimento de putas.

Hoje

A situação actual das trabalhadoras do sexo não tem melhorado desde 1975 documentou uma leitura intitulada "Mulheres sem quartos", em 29 de Maio 2011, realizada em Bochum, Alemanha. A leitura foi dedicada aos profissionais do sexo da cidade vizinha Dortmund, na qual queriam suprimir as prostitutas da vida pública com meios semelhantes aos de 1975, em Lyon

Dias comemorativos parecidos

Dia 3 de março - Dia Internacional do direitos dos trabalhadores de sexo (Internacional Sex Workers’ Rights Day)

Dia 17 de dezembro - Dia Internacional contra a violência contra prostitutas(International Day to End Violence Against Sex Workers)






Fonte: http://pt.wikipedia.org

“Programa Silvio Santos” completa 52 anos: confira vinte frases que mostram o bom humor do apresentador

Frases de Silvio Santos que marcaram seu programa (Foto: Divulgação/ SBT)

Há 52 anos, Silvio Santos alegra os domingos de milhões de telespectadores. Com competições, música, câmeras escondidas, artistas e inúmeras surpresas. Um dos ícones da televisão continua a levar diversão, irreverência e boas gargalhadas à família brasileira. Confira vinte frases do apresentador que marcaram o programa e viralizaram na internet:


1. “Tem um ditado que diz: ‘pau que nasce torto, nunca se endireita’. Das minhas seis filhas, ela foi a que mais apanhou e mesmo assim não teve jeito.” (Silvio brinca com Patricia Abravanel)

2. “Eu penso muito em você. Quando estou tomando banho fico cantando: A Helen vem aí, lá, lá, lá”. (Silvio brinca com Helen Ganzarolli)

3. “Yo voy a Paraguai comprar uma maleta de maconha” (Silvio se confunde e brinca com participante do auditório, dizendo que iria ao Paraguai comprar uma maleta de maconha, mas é no Uruguai que o comércio está autorizado)

4. “Eu estou vivo, mas não funciona mais nada, fazer o quê?” (Silvio brinca com Val Marchiori)

5. “Eu tenho 82 anos e faço sexo quase todo dia. Quase segunda, quase terça, quase quarta…” (Silvio brinca durante seu programa)

6.
“Que Márcio? Do Trio Los Angeles? Morreu? Ah não, aquele rapaz que apresentava o programa de sábado!” (Silvio brinca ao falar sobre Márcio Garcia)

7. “Depois que casou com o Luciano Huck ele deu um trato nela e ela ficou linda” (Silvio brinca ao falar de Angélica)

8. “Que mulher linda, parece a Ana Hickmann!” (Silvio brinca com Léo Áquila)

9. “Eu não vejo televisão. Só assisto cinema. Já assistiu ‘Bíblia’? Assista, tem na Netflix. A mensalidade é de apenas R$ 18,90, assine e coloque em casa. Os donos devem estar me vendo nos Estados Unidos e têm que me mandar um mês de graça.” (Silvio brinca com a Netflix)

10. “Se fosse ator pornô, meu pseudônimo seria ‘A Grande Mandioca'” (Silvio brinca com Titi Muller)

11. “Em casa, eu não vejo televisão, eu só faço ioga e meditação. Eu faço com aquelas sungas indianas e um turbante na cabeça.” (Silvio brinca com o auditório)

12. “Não, não vi você com namorado e nem com marido. Aliás, tem muita gente achando que você é sapatona.” (Silvio brinca com Helen Ganzarolli)

13.
“Chamar uma pessoa de gorda e um camarada de velho é a pior coisa do mundo. Eu, por exemplo, não permito que ninguém me chame de velho. O máximo que eu permito é dizer que sou uma pessoa idônea.” (Silvio brinca com o auditório)

14. “Aquele microfone dava a impressão que eu estava saindo do cemitério com a cruz no peito.” (Silvio brinca com Lívia Andrade, sobre seu clássico microfone)

15.
“Marcelo Rezende fala de sexo? Mas acho que ele só fala, porque já deve ter esquecido…” (Silvio brinca sobre Marcelo Rezende)

16. “Não, eu nem sei o que que é isso. Quando eu falo em sexo eu choro… Eu choro de saudade!” (Silvio brinca com Lola Melnick)

17.
“Nossa Senhora da Plástica ajudou eles, olha aí. Eles pareciam dois índios que vieram da selva.” (Silvio brinca com Chitãozinho e Xororó ao ver VT do começo da carreira dos dois)

18. “É aquela Sônia Lima que trabalhava comigo há uns 45 anos atrás? Que trabalhava com o Pedro de Lara… Já morreu. Com a Araci de Almeida… Já morreu. Trabalhava com o Zé Fernandes… Já morreu! Mas eu? Tem que mandar matar!” (Silvio brinca com Sônia Lima)

19. “Hebe Camargo, pode ficar tranquila, eu estou na fila da eternidade. Eu chego lá!” (Silvio brinca com o auditório)

20. “Eu já conheço o Frota, ele esteve até na casa dos artistas, com o Frota não escapa ninguém. Quando converso com ele peço para ele ficar a dois metros de distância. (Silvio brinca com Alexandre Frota)





domingo, 31 de maio de 2015

Quanto mais sexo, maior as chances de engravidar de menino, conclui pesquisador


Você com certeza já ouviu mil simpatias para "escolher" o sexo do bebê. Há quem diga que mudanças na dieta, rituais pré-relação e até investir na posição sexual certa podem aumentar as chances de gerar um menino ou uma menina - tudo isso sem comprovação científica, é claro! Mas o professor e estatístico britânico David Spiegelhalter tem uma outra teoria: quanto mais sexo você fizer, maiores as chances de engravidar de um menino.

Analisando dados sobre o número de meninos e meninas nascidos no Reino Unido desde 1828, David percebeu que, em períodos de maior estresse, como os anos de guerra e crise econômica, aumenta o nascimento de meninas. Em compensação, nas épocas em que há maior prosperidade (e os casais fazem mais sexo), o número de bebês meninos é maior.

David tomou como exemplo dois picos de nascimento de bebês do sexo masculino, nos anos 1919 e 1944, que coincidem com as etapas finais da Primeira e da Segunda Guerra Mundial.

Segundo o professor, esse aumento do nascimento de meninos pode ser explicado pela atividade hormonal dos pais. Haveria mais chances de conceber bebês do sexo masculino no início do ciclo menstrual da mulher. Como o pico fértil acontece cerca de dois dias antes da ovulação, se os casais têm uma grande quantidade de relações sexuais, há maior probabilidade de a mulher engravidar antes de alcançar esse período, o que aumentaria as chances de conceber um menino. Sendo assim, nos períodos pós-guerra, os casais que ficaram separados teriam um aumento na atividade sexual, o que contribuiria para o nascimento de mais meninos.

Já para justificar a associação entre períodos de estresse e o maior nascimento de meninas, o professor cita um levantamento sobre o número bebês gerados na época da destruição das Torres Gêmeas, em 2001, nos Estados Unidos, e também outras pesquisas realizadas em períodos de fortes crises econômicas. Ele menciona ainda pesquisa realizada na Califórnia, entre 1989 e 2001, que mostra que os abortos espontâneos de fetos masculinos são mais frequentes em períodos de alto índice de desemprego. Ou seja, quando há mais estresse durante gravidez, há uma tendência de que nasçam mais meninas.

Mesmo que esse estudo tenha mais bases estatísticas do que científicas, é no mínimo curioso, não?





domingo, 24 de maio de 2015

Silvio Santos dirige com lápis na boca e passa tempo montando quebra-cabeças; veja outras curiosidades

Silvio Santos é romântico e leva vida simples (Foto: Divulgação/ SBT)

Senor Abravanel, conhecido popularmente como Silvio Santos (84), é um homem romântico, que ainda manda flores e bilhetes apaixonados para a esposa, Íris Abravanel – autora de novelas do SBT, a responsável pelas adaptações de “Carrossel” e “Chiquititas”. A caminho do SBT para gravar seu programa, Silvio dirige com um lápis na boca para aquecer a voz. As gravações sempre são encerradas por volta das 16h, porque todos os dias Silvio toma café da tarde com Íris.

A reportagem de Renata Telles, que está na revista Contigo! desta semana, traz revelações curiosas sobre a vida e a intimidade de um dos maiores ícones da televisão brasileira, Silvio Santos. Dentre as curiosidades, está uma bem particular: Silvio guarda uma coleção de filmes eróticos estrelados por Alexandre Frota.

Alérgico a perfumes, o apresentador toma banho com sabão de coco, e passa o tempo montando quebra-cabeças de mais de mil peças com as filhas e, brincando e tratando de seus catorze cachorros. Silvio também gosta de levar uma vida simples. Ele mesmo prepara suas refeições em seu camarim e, não gosta de gastar dinheiro com roupas caras.


Silvio e a filha Patrícia; apresentador é pai superprotetor (Foto: Divulgação/ SBT)


Filha número quatro de Silvio Santos, e apontada como sucessora do pai, Patrícia Abravanel – que é apresentadora do “Máquina da Fama” – contou como ela e as irmãs foram educadas. “Quando minhas irmãs e eu éramos pequenas e íamos viajar de férias, não tínhamos babá nem nada disso. Meu pai prometia que, se arrumássemos o quarto, a gente ganharia dinheiro para gastar durante aquele dia, comprar doces e as bobagens que as crianças gostam. E a gente se divertia com isso e se achava importante na hora do pagamento. Ele sempre foi assim com a gente”, disse Patrícia.

Diretora do núcleo infantil do SBT, Silvia Abravanel revelou outra característica do animador: a de pai superprotetor das seis filhas. “Eu tinha uns 17 anos e fui apresentar meu namorado. Ele pediu para ficar a sós com o rapaz e fez uma entrevista digna de Interpol”, afirmou. O tempo passou, Silvia completou 45 anos em abril, mas o pai não mudou muito: “Levei o Edu [Pedroso, atual marido] ao camarim do meu pai e ele fez perguntas. ‘Quer mesmo casar com minha filha?’. Eu morri três vezes”.

Em junho, Silvio Santos completa 52 anos no comando do programa que leva seu nome, distribuindo R$ 5 mil em prêmios todo domingo, somente para suas queridas colegas de trabalho.

sexta-feira, 22 de maio de 2015

Pais acabou o sossego - Peppa Pig estreia na TV Cultura na segunda-feira


Um dos maiores sucessos infantis da TV paga, o desenho Peppa Pig estreia na TV Cultura na próxima segunda-feira, dia 25 de maio. 

Em parceria com o proprietário da marca, Entertainment One, a emissora adquiriu as duas primeiras temporadas da série britânica, que será exibida de segunda a sexta-feira, com episódios inéditos às 8h e 10h15, que serão reapresentados às 14h30 e 16h45.

Peppa Pig conta as aventuras de uma adorável e irreverente porquinha. 

Ela vive com seus pais, Mamãe e Papai Pig, e seu irmãozinho mais novo, George, que, apesar de pequeno, é seu grande companheiro. Além deles, o Vovô e a Vovó Pig também fazem parte da família. Juntos, eles vivem situações comuns na vida familiar e mostram como é possível solucionar os problemas com união, aprendendo e até mesmo se divertindo com eles.

Ao lado de seus amigos, como Suzy, a ovelhinha; Danny, o cachorro; Pedro, o pônei; e Rebecca, a coelha, Peppa vive plenamente sua infância. A porquinha está sempre brincando muito, seja com atividades típicas de qualquer criança, como esconde-esconde ou andar de bicicleta, ou em uma de suas diversões favoritas, pular em poças de lama.

Criado por Neville Astley e Mark Baker, o desenho Peppa Pig foi lançado na Inglaterra em 2004 pelo estúdio Astley Baker Davies. A animação conquistou diversos prêmios, incluindo o BAFTA, em 2005, 2011 e 2012, como Melhor Animação para Crianças em Idade Pré-Escolar.

Mais novidade

Também na próxima segunda, dia 25, chega à tela da TV Cultura a animação italiana Winx Club. A série, que já foi exibida em vários países, mescla ação e comédia e conta a história de seis jovens fadas que estudam na Alfea, uma escola na Dimensão Mágica. A atração irá ao ar de segunda a sexta-feira, às 17h30.





segunda-feira, 4 de maio de 2015

Historia comovente - Pizzaria recebe pedido estranho de cliente: “Mandem o entregador mais lindo dizer que sou bonita”

O pedido feito pela cliente por telefone: "Mande o entregador mais lindo dizer que eu sou bonita" (Foto: Reprodução / Imgur) 

Uma rede de pizzarias de Menlo Park, na Califórnia, recebeu uma estranha solicitação vinda de uma de suas clientes durante um pedido por telefone. Segundo o atendente registrou, a pessoa do outro lado da linha teria pedido: “Mandem o entregador mais lindo dizer que eu sou bonita”.

Junto com o pedido de duas pizzas grandes, a solicitação foi anotada. De acordo com o site da Fox News, os atendentes da Pizza My Heart, que fica próxima à Universidade de Stanford, estão acostumados às solicitações bizarras, e esperavam encontrar alguma festa em uma das repúblicas de estudantes.

“Eu já recebi pedidos parecidos com esse antes, então estava esperando encontrar um grupo de universitárias”, disse o entregador escolhido para atender a cliente ao Daily Mirror, que postou a ordem de serviço na rede social Imgur, popular nos EUA. 
 
Uma das massas da Pizza My Heart postadas na página oficial da pizzaria da Califórnia no Facebook (Foto: Reprodução / Facebook) 

Desta vez, no entanto, ao chegar ao endereço indicado, ele encontrou algo diferente. Segundo o funcionário, ele foi recebido por uma mulher sozinha, em uma casa decorada para uma festa. Em uma breve conversa, ele conta, a mulher disse que tinha preparado uma festa para comemorar o próprio aniversário, mas ninguém apareceu.

“Nós rimos e conversamos um bom tempo e, quando eu estava indo embora, dei um abraço nela e disse que ela era bonita”, contou o entregador, que disse ter sido convidado pela cliente para entrar e se servir do bolo.

O funcionário disse ter recebido uma repreensão do gerente da loja por ter demorado na entrega, mas continua trabalhando no local. Para ele, apesar de ter colocado o emprego em risco, levar alguma alegria a alguém que passaria a noite de aniversário sozinha foi mais importante.





sexta-feira, 1 de maio de 2015

Viram não sou só eu - Adepto do namoro sem sexo diz que casou virgem e deu 1º beijo no altar

Cantor Lincoln Borges é um dos líderes do Eu Escolhi Esperar (Foto: Adneison Severiano/G1 AM) 

Criado em Vitória, no Espírito Santo, no ano de 2011, o movimento "Eu Escolhi Esperar" já conta com adesão de mais 3 milhões de jovens evangélicos e católicos pelo Brasil, segundo a organização. Manaus recebe pela terceira vez o seminário das lideranças do movimento nesta sexta-feira (1º) e no sábado (2). 

Um dos precursores, o cantor Lincoln Borges, também participa do evento. Ele afirma que casou virgem aos 28 anos de idade e que o primeiro beijo do casal foi dado no altar da igreja. O cantor defende que a vida sexual e o primeiro beijo aconteçam somente após o casamento.

Lincoln Borges conheceu a esposa ainda em 2009 e, a partir de 2013, se aproximaram. Foram oito meses de conversas, orações e sem nenhum beijo. Segundo Borges, casal resolveu casar. O pedido foi feito ao vivo durante transmissão de um dos seminários do "Eu Escolhi Esperar" pela TV. Ele afirmou que o primeiro beijo do casal ocorreu durante a cerimônia de casamento no altar da igreja, no último dia 28 de março.

"Eu resolvi viver dessa forma. Fazer a diferença. Casei com 28 anos, dei meu primeiro beijo de namoro com minha esposa no altar. Estou com um mês e três dias casado feliz. Sei que essa foi a melhor escolha para a minha vida. Ambos tinham o mesmo propósito, não daria certo se houvesse caminhos diferentes", disse o cantor.

Borges disse que o casal não trocou beijos durante o namoro para evitar "cair em tentação". "Difícil é, mas não é impossível. Tudo tem sua hora. Optamos por não beijar no relacionamento para segurar melhor a onda da vontade de fazer sexo. O beijo desperta e é o início do sexo, porque o corpo entende que está acontecendo algo que vai despertar. Procuramos não ficar sozinhos para não ficarmos propícios a fazer algo que estávamos renunciando", comentou Lincoln Borges.

O músico está no movimento desde o surgimento. Ele viaja pelo Brasil e alguns países difundindo a reflexões sobre as relações, a ideia do sexo depois do casamento e a valorização da família. "Temos levantado essa bandeira para mostrar ao jovem que ele não está sozinho. Existe uma geração que escolheu se guardar e viver diferente do que temos visto por aí: as pessoas com relações descartáveis e sem compromisso umas com as outras", justificou.

Centenas de seguidores participam de seminário do movimento em Manaus (Foto: Adneison Severiano/G1 AM) 

Preconceito
O preconceito é uma principais queixas dos seguidores do movimento que prega o sexo após o casamento. Com irreverência, o líder e criador do "Eu Escolhi Esperar", pastor Nelson Júnior, tem percorrido o país para orientar os jovens que fizeram a escolha.

"O preconceito ainda existe, mas o preconceito é um problema generalizado em todas as áreas das nossas vidas. O preconceito existe contra o Eu Escolhi Esperar, contra o homossexual, contra o negro, a mulher, o nordestino ou pessoas com algum tipo de deficiência. Mais importante do que saber esperar é saber o porquê esperar. Saber os motivos e propósitos da decisão é o que ajuda a tomar atitudes corretas e chegar ao casamento cumprindo os votos que fez", ressaltou o pastor, que diz ter casado virgem aos 21 anos. 

Pastor Nelson Júnior criador do movimento fala
como os jovens podem esperar por sexo no
casamento (Foto: Adneison Severiano/G1 AM) 

O "Eu Escolhi Esperar" não tem uma religião específica, mas conta com a participação mais expressiva de católicos e evangélicos. "É uma campanha cristã. Com isso, conseguimos reunir jovens evangélicos como também abraçar os católicos. São mais de 3 milhões de seguidores no Brasil e estamos alargando nossas tendas para outros países. Ainda neste ano iremos para Austrália, França, Londres, Luxemburgo, Estados Unidos, México, Colômbia e Argentina", disse Nelson Júnior.

No Amazonas, a adesão de novos seguidores também tem sido percebida pelos idealizadores do movimento. Os estudantes Samatha Lins, de 18 anos, e Paulo Henrique dos Santos, de 20, seguem o movimento. Há dois anos, eles estão se conhecendo e aguardam a permissão do pai da jovem para namorar. "Meus pais que determinarão as regras. Se no namoro poderá beijar ou não. Meu pai apoia totalmente o movimento", disse disse a estudante.

Neste primeiro dia do seminário, nesta sexta-feira, cerca de 1.500 pessoas estiveram na Igreja Madureira, na Zona Centro-Sul de Manaus. No sábado (2), o evento ocorrerá na Igreja Maranatha, localizada na Avenida Beira Mar, no bairro Coroado, na Zona Leste.

"A cada ano tem crescido o número de seguidores no Amazonas. Dessa vez, precisamos fazer duas sessões para atender ao maior número de pessoas possível. O seminário com mesmo conteúdo, mas com públicos diferentes", destacou o pastor Nelson Júnior. 

Jovens do 'Eu Escolhi Esperar' aguardam aval de pais para namorar (Foto: Adneison Severiano/G1 AM) 

Terceira edição de seminário do 'Eu Escolhi Esperar' em Manaus (Foto: Adneison Severiano/G1 AM)