Google+ RECOPIA Seu Canal fora do Youtube: Virgem falando de sexo
Mostrando postagens com marcador Virgem falando de sexo. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Virgem falando de sexo. Mostrar todas as postagens

sábado, 7 de outubro de 2017

Virgem falando de sexo - Nem todas sentem dor e sangram na primeira vez


O fato de sangrar pouco ou muito pode não ter relação com rompimento do hímen, uma película impermeável localizada na entrada da vagina e por onde saem secreções e a menstruação.
Geralmente, o hímen é rompido de forma permanente quando ocorre a penetração do pênis. Como o sexo envolve muitos tabus, criou-se a ideia de que sempre deve haver dor e sangramento na primeira transa, criando receio nas mulheres.

No entanto, quando ambos estão conscientes e à vontade com a decisão de transar, uma grande maioria das mulheres não sente dor, e não ocorre grande sangramento. É claro que, em casos raros, quando o hímen é mais espesso do que o habitual, mesmo com dilatação e lubrificação, pode ocorrer alguma dor.

Existem cinco tipos diferentes de hímen:

O anelar é o mais comum, possui formato de anel, e o seu orifício permite a passagem da menstruação. Ele pode ou não sangrar durante a primeira relação.

O septado é mais resistente e possui uma pele no meio do orifício. Apesar de não provocar dor, pode causar incômodo.

O complacente é elástico e raramente é rompido na primeira transa.

O cribiforme é ainda mais raro e resistente. Possui vários buraquinhos que permitem o fluxo menstrual em vez de apenas um orifício.

Já o hímen imperfurado é raríssimo e, por não ter orifícios, precisa ser rompido com uma cirurgia.






Fonte: http://dc.clicrbs.com.br
Foto: Diego Vara / Agencia RBS

sábado, 9 de setembro de 2017

Virgem falando de sexo - 10 coisas que você provavelmente nunca soube sobre seus seios


Embora você possa achar que sabe tudo sobre eles, há alguns fatos muitos surpreendentes que podem fazer você começar a enxergá-los de uma forma diferente.

Desde o que acontece com eles quando você fuma até a possibilidade de você estar usando o tamanho errado de sutiã, você verá várias coisas nessa pequena viagem em busca do autoconhecimento. Porque há muito mais nos seus seios além de um decote bonito.


Você provavelmente está usando um sutiã de tamanho errado


De acordo com uma pesquisa feita pela marca Freya, 80% das mulheres usam o tamanho errado de sutiã. E mais, quase um terço dessas mulheres compram um sutiã sabendo que ele não é adequado. Aparentemente, a combinação mais comum de erros é usar um tamanho muito grande em um corpo muito pequeno.

Especialistas em roupas íntimas sugerem que as mulheres revejam suas medidas uma vez por ano. Usar o tamanho errado de sutiã não apenas afeta a sua roupa, mas também pode levar à vários tipos de repercussões para a sua saúde, incluindo dores no pescoço e no ombro.


Seus seios irão mudar de tamanho ao longo da sua vida


Essa é só mais uma razão para procurar um médico regularmente. As mamas não apenas têm a capacidade de mudar de tamanho de acordo com o seu ciclo menstrual, mas também podem se alterar significativamente em várias fases da vida, incluindo durante a gravidez e à medida que você envelhece.

80% das mulheres estão usando sutiãs de tamanho errado [foto: Getty]


Nem todos os mamilos são iguais

Na verdade, há oito tipos diferentes. Mamilos projetados são aqueles que se projetam alguns milímetros da auréola (a pele ao redor do mamilo). Mamilos planos são exatamente como se fala, mas eles podem crescer caso você esteja excitada ou ocorra uma mudança brusca de temperatura. Há também aqueles que têm a mesma aparência dos planos, mas com uma auréola maior. O mamilo invertido pode “apontar” para três graus diferentes. Já reparou alguns “carocinhos” nos seus mamilos? Bem, essas são as glândulas de Montgomery, e elas são mais visíveis em mulheres com um tipo específico de mamilo. Também há os mamilos peludos. Todo mundo tem pelos nos mamilos, mas algumas mulheres tem os mamilos mais peludos do que as outras. Por fim, também há os mamilos unilaterais, que ocorrem quando um mamilo é invertido e o outro não.


Um dos seus seios provavelmente é maior do que o outro

E o maior provavelmente é o esquerdo. Estatisticamente, os seios esquerdos costumam ser maiores, embora a ciência não saiba o motivo. Em uma pesquisa, 65% das mulheres afirmaram ter o seio direito menor.



Os seios são muito pesados

Um seio médio pesa cerca de 500 gramas e contém 4-5% da gordura corporal de uma mulher. O tamanho médio de sutiãs no Reino Unido é 78-82 (é melhor a Rigby & Peller começar a focar em tamanhos menores!).


Não é incomum ter mais de dois mamilos

Uma a cada 18 pessoas têm mais de dois mamilos. Muitas vezes, os mamilos extras aparecem na linha da sua axila, mas podem nascer até no seu pé. Há rumores de que celebridades como Mark Wahlberg, Tilda Swinton e Lily Allen têm três mamilos.


Fumar pode fazer seus seios caírem

Os seios das fumantes tendem a cair por causa dos produtos químicos no cigarro, que destroem a elastina da pele. Como se você precisasse de mais um motivo para parar de fumar!

Infelizmente, você não pode deixar seus seios mais firmes [foto: Getty]



Não há como tonificar o seios

Os seios não contêm nenhum músculo, o que significa que eles não podem ser tonificados, embora alguns especialistas sugerem que trabalhar os músculos do peitoral pode fazê-los parecer mais tonificados.


Seus seios vão ceder com a idade. Isso é FATO.


O motivo? Enquanto envelhecemos, o tecido conjuntivo nos seios é substituído por gordura. Legal, não é?



Seus seios podem lhe dar um orgasmo

Sim, é verdade. Aparentemente, o cérebro feminino processa a estimulação do mamilo e da vagina da mesma forma. Além disso, uma pesquisa revelou que 82% das mulheres se excitam quanto tocadas nos mamilos ou ficam menos excitadas quando eles não recebem atenção.





Fonte: https://br.vida-estilo.yahoo.com

sábado, 2 de setembro de 2017

Virgem falando de sexo - Confira dez curiosidades sobre a vagina que podem mudar a sua vida


Se você que está lendo esta reportagem é uma mulher, provavelmente, se identificará com pelo menos alguns dos itens listados abaixo. Se é homem, o texto pode ajudá-lo a entender melhor a sua parceira. O assunto? A vagina.

Para começar, é preciso diferenciar vagina de vulva. A vulva compreende toda a genitália feminina, incluindo a vagina, que é apenas o canal interno da vulva. Mas até os médicos se referem ao conjunto como vagina.

O inglês Jamie McCartney criou, em 2011, o "Great Wall of Vagina" (grande mural da vagina, em tradução livre), que traz 400 órgãos esculpidos de gesso, formando um conjunto de dez painéis, justamente para mostrar que, assim como o pênis, cada vagina tem formato, tamanho (pelo menos externo) e aparência diferentes.

"Muitas mulheres se preocupam com o aspecto do seu órgão genital e o comparam. Pensei que quando elas vissem todas aquelas vaginas no mural se sentiriam mais seguras. É a arte com um propósito social, além de ser um espetáculo surpreendente, claro", afirma o artista.

Jamie, que disse conhecer apenas cerca de dez das 400 que serviram como voluntárias para o projeto, contou que teve como objetivo "libertar as mulheres da ansiedade e dúvida sobre a estranheza de seu corpo". E deu resultado: "Várias me mandaram e-mails falando que meu trabalho mudou suas vidas, que a autoestima aumentou. Isso é incrível".

A seguir, listamos dez curiosidades. Confira:

1. Tamanho: a vagina é elástica e, segundo Flávia Fairbanks, membro da Sogesp (Associação de Obstetrícia e Ginecologia do Estado de São Paulo), o tamanho muda de acordo com a idade. "Na fase adulta, tem de 7 cm a 8 cm de comprimento, em repouso. Durante a relação sexual, essa medida pode chegar a 12 cm de comprimento e 3 cm de largura", afirma. Flávia explica que a cavidade vaginal atinge o máximo de dilatação durante o trabalho de parto: 10 cm.

2. A vagina "fala": marcas ou manchas na calcinha, mau cheiro e coceira podem ser sinais de alguma doença. O corrimento, porém, nem sempre é um problema: quando é inodoro, trata-se de um mecanismo natural de defesa da mulher. "Quanto ao sexo, dor durante a penetração ou dificuldade de lubrificação podem denunciar uma disfunção sexual que precisa de tratamento", explica a terapeuta sexual Paula Napolitano.

3. Ruídos: você já se constrangeu durante o sexo por causa de algum barulho na hora da penetração (parecido com gases)? "É normal. Com o movimento sexual, pode haver a entrada de ar na vagina", afirma Carolina Ambrogini, ginecologista, sexóloga e coordenadora do Projeto Afrodite da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo).

4. Depilação não faz mal: de acordo com as ginecologistas Flávia Fairbanks e Carolina Ambrogini, os pelos servem como proteção contra atrito e entrada de corpos estranhos na vagina. Porém, não há mal nenhum em depilá-los. "Para as mais sensíveis, deixá-los é mais confortável, por conta do atrito, mas nada é proibido ou prejudicial", diz Carolina.

5. Plásticas: algumas mulheres se incomodam com o tamanho dos lábios genitais e buscam na cirurgia plástica a saída para se sentirem mais confortáveis com seu corpo. Segundo Luiz Carlos Ishida, cirurgião plástico e membro da SBP (Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica), a procura por esse tipo de intervenção aumentou. "Em 2010, realizávamos cerca de quatro operações dessas por ano. Hoje, não passamos uma semana sem fazer".

6. O poderoso clitóris: muitas mulheres chegam ao orgasmo apenas com o estímulo do clitóris, que está localizado na parte exterior da vulva. Segundo Paulo Tessarioli, psicólogo especialista em sexualidade humana, o órgão tem cerca de oito mil terminações nervosas e, por isso, é tão sensível. "Esse detalhe da anatomia feminina é muito curioso, já que a mulher tem um órgão destinado exclusivamente ao prazer", afirma.

7. Tamanho não é documento: se formos levar em consideração a possibilidade de prazer feminino, a afirmação de que o tamanho do pênis não importa procede. "Os cinco primeiros centímetros da vagina são os mais ricos em terminações nervosas e, por isso, dizer que o pênis maior dá mais prazer é um mito", explica a terapeuta sexual Paula Napolitano. Além disso, a vulva pode ser explorada por inteiro.

8. Transpiração e ventilação: muitas mulheres se incomodam com o suor vaginal, mas, de acordo com Flávia Fairbanks, por ter grande quantidade de glândulas sudoríparas, a transpiração é natural. "Algumas mulheres relatam que é a região do corpo onde mais suam", conta. Ela explica que, como é um órgão fechado e, por isso, quente e úmido, é favorável à proliferação de fungos e bactérias. "Por isso, quanto mais ventilado for, menores as chances de infecções. Dormir sem calcinha ou usar peças 100% algodão é altamente recomendado".

9. "Autolimpeza": segundo a médica Flávia Fairbanks, o corrimento inodoro e esbranquiçado é o responsável por eliminar toxinas, bactérias e células mortas vaginais. Justamente por isso, não é preciso lavar o canal vaginal. "Usar água e sabonete com pH neutro na região externa já é suficiente para manter a higiene", diz.

10. Ginástica vaginal: o pompoarismo é um treinamento da musculatura vaginal que aumenta o prazer sexual do casal durante a penetração. Além disso, a vagina é composta por músculos e precisa ser exercitada, assim como o resto do corpo, segundo a terapeuta sexual Paula Napolitano. "Faz parte do bem-estar e do autoconhecimento feminino. Exercícios como os de contração e relaxamento ajudam a fortalecer a musculatura e deixam a vagina mais sensível. São muito indicados para problemas que podem surgir com a idade, como a flacidez genital e a incontinência urinária".





Fonte: www.meionorte.com    Por Mayara Dias

sábado, 26 de agosto de 2017

Virgem falando de sexo - 10 coisas que você precisa saber antes de encarar o sexo a três


Antiga, a fantasia de transar a três ronda o imaginário de muitos casais. No entanto, ao mesmo tempo em que parece funcionar como a brecha perfeita para escapar daquela rotina monogâmica, o chamado ménage à trois não é isento de consequências. Trazer uma pessoa a mais para a cama pode proporcionar muito prazer, mas também pode causar fissuras numa relação.

“A gente ainda vivem uma sociedade muito monogâmica e não estamos totalmente preparados para quebrar esse tabu. Ainda existe nas relações aquela ideia da posse, o amor associado à fidelidade e exclusividade. Por questões que envolvem o ciúme e a insegurança, muitas mulheres não vem o sexo a três como uma fantasia. É como se elas não estivessem dando conta do recado”, explica a consultora comportamental e personal sex trainer Rita Rostirola.

Antiga, a fantasia de transar a três ronda o imaginário de muitos casais. No entanto, ao mesmo tempo em que parece funcionar como a brecha perfeita para escapar daquela rotina monogâmica, o chamado ménage à trois não é isento de consequências. Trazer uma pessoa a mais para a cama pode proporcionar muito prazer, mas também pode causar fissuras numa relação.

“A gente ainda vivem uma sociedade muito monogâmica e não estamos totalmente preparados para quebrar esse tabu. Ainda existe nas relações aquela ideia da posse, o amor associado à fidelidade e exclusividade. Por questões que envolvem o ciúme e a insegurança, muitas mulheres não vem o sexo a três como uma fantasia. É como se elas não estivessem dando conta do recado”, explica a consultora comportamental e personal sex trainer Rita Rostirola.




2 – SE PREPARE PARA UMA REAÇÃO NEGATIVA
Uma conversa e pronto, o outro lado está pronto para ceder à fantasia do parceiro. Nem sempre a proposta é levada tão na boa, assim. Por isso, vale se preparar para uma reação não muito bacana. A pessoa pode achar que existe algum problema na relação e desencadear uma série de questionamentos. A saída é trabalhar essa insegurança aos poucos, com propostas mais leves. Por que não começar com filmes (veja dicas abaixo) que abordam o ménage de um jeito legal?

3 – NÃO SEJA COADJUVANTE
No sexo a três, é normal que acabe rolando uma “química” maior entre duas pessoas, em algum momento. Se isso acontecer, basta entrar na brincadeira ou tentar incluir aquela pessoa que está se sentindo um pouco de lado. Esse cuidado evita que um possível ‘climão’ tome conta do ambiente.

4 – NOVIDADE QUE ASSUSTA
Na imaginação, todo mundo dá conta de transar com duas pessoas ao mesmo tempo. Na vida real, isso pode ser um pouco assustador, em princípio. Essa 'novidade' pode ter alguns efeitos colaterais, principalmente nos homens. “O que pode acontecer é o homem brochar. Eles ficam muito ansiosos, pensando se vão dar conta, ou como a esposa vai reagir. Se a cabeça de cima não está tranquila, a de baixo pode dar trabalho”, brinca Jéssica. Para contornar, a dica é tentar outros estímulos, que consigam deixar todos mais relaxados e à vontade para transar.

5 – PODE NÃO SER UMA MARAVILHA
“A primeira vez que eu e meu marido saímos com uma terceira pessoa foi legal, mas não deu muito certo. Fiquei com medo de o meu parceiro sentir ciúmes, então não rolou nem beijo. Depois dessa vez, começou o chororô. Ele de um lado, eu de outro, prometendo que nunca mais faríamos isso”, lembra a digitadora M. L., que tem um ménage fixo com o marido e um parceiro há cinco anos.

6 – APRENDA COM OS ERROS
Se a química do trio não rolar na primeira vez, entenda que isso é natural e previsível. Depois dessa experiência não tão boa, o casal pode conversar sobre os pontos negativos e tentar mais algumas vezes, para então avaliar se é uma fantasia possível ou que precisa ser descartada.

7 – MANTENHA A MENTE ABERTA
Ménage, tabus e preconceitos relacionados à sexualidade simplesmente não combinam e resultam em um verdadeiro desastre. “Se for um homem e duas mulheres, a esposa ou namorada precisa topar a relação com uma pessoa do mesmo sexo. Tem que sentir prazer, ali na hora mesmo, senão não funciona”, acredita Denise*, de 31 anos.

8 – NÃO CRIE EXPECTATIVAS
Relação ótima, boa sintonia, química na medida certa... E ponto final. Um ménage bem sucedido não obriga que as partes mantenham um contato íntimo, depois da experiência. Aliás, o 'grude' pode ser visto com maus olhos. “Alguns parceiros me sufocavam, querendo ficar em cima o tempo todo, sem deixar a mulher respirar. Chegam a perguntar para o esposo se ele libera a mulher para saírem só os dois.”, desabafa M. L.

9 – ESTABELEÇA SEUS LIMITES
Antes de deixar tudo rolar, o casal precisa combinar quais são as regras para que a relação seja legal para ambos. Desse jeito, dá para estipular o que é permitido e o que não pode acontecer em hipótese nenhuma. Essas disposições variam de casal para casal, obviamente. Para uns, penetração não entra no pacote do ménage, apenas sexo oral e masturbação. Para outros, porém, a porta do coração é aberta com um simples beijo, que já é proibido logo de cara.

10 - FAÇA POR PRAZER
Ninguém precisa se sujeitar a nada, principalmente se o objetivo é agradar o outro lado. Quem anula os próprios desejos e vontades desse jeito não consegue aproveitar o momento, muito menos se dispor para outras tentativas. Sobra mágoa, frustração e outros efeitos colaterais que podem acabar prejudicando a relação do casal, de acordo com Rita Rostirola.

*Nome fictício, adotado a pedido da entrevistada






Fonte: www.tribunadabahia.com.br

sábado, 19 de agosto de 2017

Virgem falando de sexo - Estudo revela que falar 'eu te amo' durante sexo melhora a 'satisfação sexual'


Um estudo realizado por cientistas da Universidade de Chapman, na Califórnia, nos Estados Unidos, revelou que dizer "eu te amo" durante a relação sexual deixa o casal mais satisfeito.

Segundo as informações do Daily Mail, a pesquisa se baseou nas respostas de 39 mil pessoas casadas ou que moram com parceiros há mais de três anos.

Cerca de 75 % dos homens e 74 % das mulheres responderam que já falaram "eu te amo" durante o ato sexual. Todos alegaram que se sentiram mais satisfeitos depois da declaração.

O estudo também afirma que os casais mais comunicativos na cama se relacionam melhor. Realizar os desejos sexuais do parceiro, pedir algo que você deseja fazer na cama e rir de alguma coisa engraçada que aconteceu durante o ato são outras situações que aprimoram a "satisfação sexual".







Fonte: www.redetv.uol.com.br
(Foto: Reprodução/Internet)

sábado, 5 de agosto de 2017

Virgem falando de sexo - Como fazer pra ter prazer quando o pênis é pequeno


Uma das coisas mais importantes do sexo é satisfazer a parceira, mas existe uma ideia muito preconceituosa de que um pênis que não seja grande não consegue isso. Para cortar esta questão pela raiz, mostraremos, aqui, alguns dos muitos fatores que influenciam a satisfação sexual e como curtir o sexo mesmo com um pênis pequeno.

O tamanho médio de um órgão sexual masculino normal pode variar de 12cm a 15cm em ereção. Ao tamanho, deve-se adicionar a espessura do mesmo, um elemento importante que pode fazer a diferença no prazer sexual da mulher, já que elas alcançam o orgasmo através da fricção.

Se o seu parceiro tiver um pênis considerado abaixo da medida média, há várias formas de desfrutar do sexo com ele. Para começar, as carícias preliminares são fundamentais para aumentar a excitação. Assim, desfrutará muito mais na hora H, independentemente do tamanho do pênis.

Outro aspecto é a posição que se escolhe. Algumas favorecem a fricção e têm mais profundidade, enquanto outras prejudicam quem não tem pênis grande. Uma forma que também agrada a muitos é o sexo anal, pois favorece a penetração.

Lembre-se que o tamanho não é tudo. Saber excitar e estimular as zonas erógenas da mulher é muito mais importante para conseguir que a sua parceira atinja o orgasmo.





Fonte: http://dc.clicrbs.com.br

sexta-feira, 1 de janeiro de 2016

Virgem falando de sexo - 8 mitos comuns sobre a masturbação

imagem: www.extraguarapuava.com.br
imagem: noticiasdonorte.publ.cv
Todo mundo se masturba. Ou quase todo mundo; de acordo com uma pesquisa nacional feita em 2009 nos Estados Unidos, cerca de 90% dos homens já havia se masturbado até os 30 anos de idade. Embora isso seja muito comum, ainda existem alguns mitos que pairam sobre o assunto. Com a ajuda de alguns profissionais de saúde, vamos desmascará-los aqui e agora.


Masturbação faz mal para o órgão sexual

Embora seja vigorosa e um pouco violenta, a masturbação não causa nenhum dano real. Desde que a pessoa não tenha feito qualquer operação recente na região genital, como uma circuncisão, o Dr. Ira D. Sharlip, professor clínico de Urologia na UCSF, diz que é até possível (em teoria) fraturar o pênis durante a masturbação, mas que uma lesão deste tipo é muito rara.

Masturbação não afeta sua fertilidade

Homens não se tornam inférteis como resultado da masturbação, mas este ato pode reduzir temporariamente a fertilidade. “Normalmente, leva cerca de 12 a 24 horas para a contagem de esperma se normalizar após uma ejaculação anterior”, diz Sharlip. “Então, se um paciente se masturbar com muita frequência (várias vezes durante o dia), isso suprimirá temporariamente a fertilidade”. Este efeito é temporário e não implica em qualquer consequência definitiva.

Autoestimulação é altamente viciante

É verdade que algumas pessoas se masturbam de maneira obsessiva, como as viciadas em compras ou em jogos de video game, mas isso é uma questão de saúde mental. Qualquer pessoa que se masturbe demais, permitindo que esta atividade interfira em sua rotina diária, deve procurar um profissional de saúde mental. Mesmo que a masturbação seja um problema para alguns, as pessoas não deveriam deixar de se masturbar por medo de se viciarem. Para a maioria esmagadora das pessoas, a atividade é saudável e prazerosa.

Autoestimulação faz as pessoas enlouquecerem

Este mito se compara a outros que dizem que a masturbação deixa as pessoas cegas e faz crescer pelos nas mãos. Vale mencionar que muitos especialistas acreditam que a masturbação é benéfica para sua saúde mental. O Kinsey Institute observa que a autoestimulação pode ser relaxante, além de ajudar as pessoas a terem mais confiança em sua sexualidade.

A masturbação pode corrigir uma disfunção erétil

Os melhores tratamentos para disfunção erétil devem ser feitos por um profissional. Além disso, é improvável que a masturbação tenha algum papel na resolução deste problema. No entanto, ela pode ser usada como uma espécie de diagnóstico para conhecer a profundidade da situação do paciente. Se um homem for capaz de se manter ereto durante a masturbação, mas não conseguir fazer o mesmo em um ato sexual com outra pessoa, é provável que a disfunção erétil tenha uma causa mental e não física.

A masturbação é um bom tratamento para ejaculação precoce

Em alguns casos, sobretudo entre os mais jovens, a masturbação antes do sexo pode ajudar um homem a durar mais tempo na cama. Isso ocorre porque quando um homem ejacula, ele geralmente leva tempo para fazê-lo novamente. Na experiência do Sharlip, no entanto, os homens que usam a ejaculação desta maneira geralmente fazem isso com sua parceira sexual, não sozinhos.

A masturbação evita câncer de próstata.

Dois estudos feitos em 2003 e 2004 trazem provas conclusivas de que homens que ejaculam mais, têm um risco menor de desenvolver câncer de próstata. Estes estudos mostraram que homens que ejaculam cerca de 20 vezes por mês tem um terço a menos de risco da doença com relação aos homens que ejaculam apenas 4 a 9 vezes por mês. Um estudo posterior, feito em 2008, adiciona uma ressalva: homens sexualmente ativos por volta dos 20 anos de idade têm um risco maior de terem câncer de próstata, particularmente se eles se masturbam muito.

O sexo fica sem graça

Biologicamente falando, a masturbação pode levar a algo mais do que um orgasmo. "Acho que a ejaculação frequente por masturbação pode reduzir o prazer do sexo com parceiros”, diz Sharlip. Isso ocorre porque a intensidade de um segundo orgasmo é ligeiramente reduzida em relação ao primeiro, mas este cenário se aplica a qualquer tipo de ato sexual. A menos que você esteja se masturbando em excesso (sozinho ou acompanhado), é improvável que tenha problemas deste tipo.

Men’s Journal
Por Taylor Kubota





Fonte: https://br.vida-estilo.yahoo.com

domingo, 22 de novembro de 2015

Blogueira 'prova' que camisinha serve para todos os tipos de pênis

(Foto: Reprodução/Twitter)

A usuária do Twitter conhecida como "Dramatic Emilly" costuma dar dicas sexuais para seus seguidores e em sua última postagem ela fez uma crítica aos homens que defendem que um único tamanho de preservativo não é adequado para todos os tamanhos de pênis.

Emilly vestiu uma camisinha em seu braço e mostrou que o material de látex se estica o suficiente para cobrir todo o órgão genital, independente do tamanho.

No tweet, a jovem escreveu "Se um cara falar pra vocês que seu órgão é muito grande para a camisinha, por favor, mostre isso à ele". Nos comentários ela responde a um internauta: “Não existe nenhuma desculpa para não fazer sexo seguro. Se um cara te pressiona (a fazer sexo sem camisinha) é uma bandeira vermelha”.

Emilly espera que com a publicação muitas mulheres se conscientizem sobre a importância do uso de preservativos e saibam distinguir um relacionamento saudável de um relacionamento abusivo.






segunda-feira, 2 de novembro de 2015

Virgem falando de sexo - Quero fazer sexo todo dia e meu namorado não. O que faço?


O interesse sexual varia entre as pessoas. Alguns têm mais apetite sexual e sentem a necessidade de fazer sexo diariamente. Para outros, esse desejo é menor. Mas o que fazer quando o parceiro não tem a mesma vontade de transar. 

"Eu sou uma pessoa muito sexual, gosto de fazer sexo sempre. Toda hora é hora boa para mim. Só que meu namorado não é assim. Para ele, sexo uma vez por mês está bom. Eu me sinto muito intimidado com ele na cama. Parece que sempre estou pisando em ovos nesse assunto. Por isso, às vezes, eu nem consigo ereção. Parece que ele não vê sexo como necessário da forma que eu vejo. Eu preciso, é necessário, vou ficar louco. Acho desnecessário terminar um namoro de três anos porque não fazemos sexo. Estou errado?", escreveu o internauta.
Neste programa, o médico e especialista em sexualidade Jairo Bouer fala sobre como lidar com essas diferenças.

Bouer explica que é comum em um relacionamento que um dos parceiros queira fazer mais sexo do que o outro. Essa diferença independente do gênero e da preferência sexual. O médico recomenda o diálogo para tentar chegar a um consenso.





segunda-feira, 19 de outubro de 2015

Quer viver até aos 150 anos? Então o sexo tem de acabar - #Partiu Eternidade

Foto: Reuters

O segredo para uma vida mais longa? De acordo com um cientista, é abdicar da sua vida sexual.

Professor Alex Zhavoronkov, diretor de uma think tank britânica intitulada de Biogerontology Research Foundation, está convencido que os humanos conseguem, de fato, viver até aos 150 anos, mas para isso têm que deixar de ter relações sexuais.

A teoria Zhavoronkov contraria estudos anteriores que defendem que uma vida sexual ativa é sinónimo de uma vida saudável, tanto a nível físico como psicológico. No novo livro, "Ageless Generation", Zhavoronkov declara que uma vida sem relações sexuais permitir viver "muito, muito mais."

Zhavoronkov leva o seu estudo muito a sério e ele próprio segue as suas teorias - "Eu tenho sexo ocasionalmente, mas não frequentemente e normalmente com colegas cientistas," disse o jovem professor, de 36 anos. "Caso contrário, e tenho pena em dizer isto, interações pós-coito são um bocado aborrecidas."

Zhavoronkov alerta para as distrações sugadoras de energia diretamente associadas ao casamento, filhos e posses materiais.

"Adiar o casamento e a reprodução é meio caminho andado para expandir as suas expetativas de vida," disse ao Mail Online. "Iria atrasar-me e distrair-me da minha pesquisa. Quando se planeia viver até aos 150 anos, casar é uma grande decisão. É mesmo a longo prazo!"

Para se distrair dos seus impulsos sexuais biológicos, ele recomenda que faça exercício regularmente e que se concentre em comer menos. Zhavoronkov diz que ele próprio só consome 1,600 e 1,700 calorias por dia, e que a sua dieta consiste maioritariamente em fruta, iogurte e barras de proteína.

A Organização Mundial de Saúde disse, na semana passada, que já estivemos mais longe de ver a esperança média de vida ser prolongada até aos 100 anos.

"Viver até aos 150 anos não é pouco realista. Não estou a planear morrer de todo. Basta ter vivido nos últimos 30 anos para perceber que tudo é possível," conclui, esperançoso, Zhavoronkov.






domingo, 18 de outubro de 2015

Quer fazer mais sexo? Não seja muito magro. - Já engordei 15 quilos viu mulheres

imagem: miaufuxico.blogspot.com
Um estudo feito com 60 mil homens e mulheres héterossexuais analisou as preferências amorosas de ambos os gêneros, e observou alguns fatores que determinam o número de parceiros sexuais que cada pessoa vai ter. A conclusão? Existe uma relacão direta entre o peso e altura de cada indivíduo e o número de pessoas que ele vai levar para a cama.

A média geral para pessoas entre 30 e 44 anos, de ambos os sexos, é de 8 parceiros. Homens têm uma tendência um pouquinho maior de ter mais de 14 conquistas ao longo da vida do que mulheres (29% deles contra 23% delas).

Mas a verdadeira surpresa veio na hora de analisar qual o biotipo favorito. Tanto para homens quanto para mulheres, não faz sucesso ser muito magro. De fato, entre todos os voluntários analisados, quem estava abaixo do peso tinha o menor número de parceiros - gordinhos e gordinhas, inclusive, se davam melhor. Ou seja, nada de passar fome.

Outra conclusão surpreendente está na altura do homens. Ao contrário do que se esperava, homens altos não têm mais parceiros do que homens de estatura mediana - só os muito baixinhos é que acabaram com menos conquistas.





Fonte: http://super.abril.com.br    Por Karin Hueck

quinta-feira, 15 de outubro de 2015

Agora posso casar sossegado - O curioso caso do cogumelo que pode provocar orgasmos

Em 2001, cientistas havaianos fizeram uma pesquisa e os resultados observados dizem que um fungo, do gênero Dictyophora, pode provocar orgasmos em mulheres.

Sim, mas só em mulheres.

Segundo o estudo, o cogumelo nativo do Havaí leva mulheres ao clímax quando são cheirados. O fungo foi apresentado a 16 voluntárias, seis delas chegaram ao ápice da excitação sexual. As outras dez tiveram reações fisiológicas perceptíveis.


Imagem ilustrativa de um cogumelo do gênero Dictyophora

Já os 20 homens que participaram da pesquisa, relataram que apenas sentiram um aroma ruim ao cheirar o cogumelo. Com informações da Superinteressante.





sábado, 25 de julho de 2015

Virgem falando de sexo - Sêmen


Em media, quatro litros de sêmen são ejaculados a cada segundo, ou seja mais de catorze mil litros por dia




segunda-feira, 15 de junho de 2015

Virgem falando de sexo - É possível escolher o sexo do bebê na hora da relação sexual?

imagem: blogpsicologando.com

Uma das maiores expectativas da gravidez é a definição do sexo da criança. Em alguns casos, existe até conflito entre o casal por conta das preferências pessoais. E se fosse possível escolher entre menino ou menina durante a relação sexual? Algumas teorias afirmam que a posição usada durante o momento íntimo podem determinar o gênero do bebê. Será que faz sentido ou trata-se de um mito?

Conforme a hipótese, quando o homem fica por cima da parceira durante o sexo, existe uma penetração mais profunda, acelerando a entrada dos espermatozoides com cromossomo Y, determinando, portanto, o sexo masculino. Se a ideia é ter uma filha, o parceiro teria de ficar atrás da mulher ou ter uma penetração parcial. Dessa forma, os gametas masculinos acabariam morrendo no caminho, enquanto os femininos – mais resistentes – chegariam até o óvulo.

Porém, segundo o obstetra Clóvis Antônio Bacha, da Maternidade Santa Fé e membro da Associação de Ginecologistas e Obstetras de Minas Gerais, as posições sexuais não possuem nenhuma relação com o gênero do bebê. De acordo com o médico, o que poderia influenciar no sexo da criança seria o período em que se realiza a concepção. "Se houver relações no período fértil da mulher, geralmente no 14º dia antes do período ovulatório, teria maior possibilidade [entre 10 e 15%] de nascer homem. É uma consideração biologicamente aceita, mas é difícil de acontecer, na prática", explica o especialista.

Maioria feminina no Brasil

Estima-se que as mulheres representem 51,5% da população brasileira, conforme a última pesquisa do IBGE. No entanto, como mostra Clóvis Antônio, nascem 165 homens para cada 100 mulheres. Seriam números contraditórios, mas o especialista explica que os bebês prematuros, do sexo feminino, são mais resistentes. Além disso, pessoas do gênero masculino estão mais sujeitas a assassinatos e acidentes automobilísticos.

Gênero definido

É possível determinar o sexo do bebê por meio da fertilização in vitro, já que os espermatozoides são previamente selecionados. No entanto, a prática não é permitida no Brasil, segundo resolução do Conselho Federal de Medicina.